Criolipólise, um novo aliado no tratamento da gordura localizada

Há um tempo venho dizendo aos meus pacientes e amigos, que entramos na Era high tech, e temos que oferecer aos nossos clientes procedimentos que não sejam invasivos e que tenham excelentes resultados. Pois é, a mais nova tecnologia foi lançada no ultimo 68º Meeting da Academia Americana de Dermatologia, em Harvard, em março do ano passado e já podemos contar com esta tecnologia no Brasil, estamos falando de um procedimento que promete eliminar a gordura localizada através do resfriamento ou congelamento do local que queremos tratar. A este método damos o nome de criolipolise.

A grande novidade foi apresentada pelo professor Rox Anderson, grande cientista com pesquisas mundiais na aplicação de Laser em Dermatologia e promete que a CRIOLIPÓLISE seja o método não invasivo mais efetivo para exterminar a nossa gordura localizada.

Durante muitos anos, cientistas acreditavam que o método mais eficaz para o tratamento de gordura localizada tinha que se basear em procedimentos associados com calor. Mas recentemente foi apresentado um procedimento que contraria esse conceito. A criolipólise é então considerada um método revolucionário e de excelentes resultados e já vem sendo utilizada nos EUA e outros países desde 2009.

Indicação: Este método é indicado para pacientes que estão com peso normal ou um pouco acima dele e que possuem gordura localizada em áreas difícil de perder, como abdome, flancos, dorso, face interna de coxa, culotes e também para pacientes que fizeram lipoaspiração e ficaram com irregularidades no local.

Como funciona: A criolipólise é um procedimento não invasivo, não agressivo, que utiliza uma nova tecnologia de resfriamento intenso e localizado. As baixas temperaturas conseguem quebrar as células de gordura, levando-as a eliminação natural, sem lesionar outros órgãos, tecidos vizinhos, nervos etc.

A ponteira do aparelho é pressionada na área a ser tratada e resfria intensamente o local, em um nível suficiente para atingir e danificar as células de gordura, sem machucar a epiderme. Após este resfriamento, organismo reage com uma resposta inflamatória que leva à eliminação dessas células, determinando uma melhora no contorno corporal, devido à redução de medidas.

Algumas particularidades:

- A sessão dura aproximadamente 60 minutos por área a ser tratada e a temperatura do local permanece de 2 a 4 graus centigrados
- Ocorre um leve desconforto local que pode durar até 20 minutos, podendo permanecer avermelhado e com alguns hematomas também (raro).
- Os resultados serão vistos de 6 a 8 semanas, período necessário para se fazer outra sessão caso haja necessidade.
- Estima-se que 20 a 25% das células de gordura desaparecerão, e este resultado depende da individualidade de cada paciente.
- Excelentes resultados se considerarmos um procedimento não invasivo, que pode tratar gordura localizada.

Efeitos colaterais e contra-indicações:

Os efeitos colaterais são, geralmente, discretos e relacionados ao resfriamento da pele. A vermelhidão pode durar de minutos a horas, Observou-se em alguns pacientes, equimose e uma sensibilidade no local por alguns dias.

Os trabalhos também mostram que a quebra das células de gordura e sua eliminação pelo sistema linfático e pelo fígado não elevam a quantidade de gorduras no sangue. Então as pessoas que tem colesterol elevado não possuem contra-indicação para realização da criolipólise.

Gestantes, pacientes com hérnia umbilical, cirurgias recentes (seis meses) e, ainda, para aqueles que alta sensibilidade ao frio, mais conhecida como crioglobulinemia, a criolipolise esta contra indicada.

Estamos então frente a um procedimento que prima pela redução das indesejadas gordurinhas localizadas. Por ser um método não invasivo e que tem este propósito, com resultados promissores, visíveis e comprovados, quem tem a ganhar são os pacientes. Lembrando que a criolipólise está indicada para aqueles que possuem peso normal e que tenham gordura localizada de difícil tratamento com outros métodos. Mais uma opção para aqueles que não querem se submeter a um procedimento invasivo.

Vídeo mostrando a ação no adipócito (célula de gordura):